top of page
  • Foto do escritorBrasil Cotidiano

Brasil possui quase 19 milhões de pessoas com deficiência

Cuidadores profissionais ajudam na assistência cotidiana e possuem um importante papel na promoção da inclusão


Crédito da foto: Assessoria de imprensa


No Brasil, cerca de 18,6 milhões de indivíduos enfrentam os desafios associados a diferentes tipos de deficiências, segundo dados do módulo Pessoas com deficiência da Pnad Contínua 2022. Nesse cenário, a presença de um cuidador pode ser necessária em muitos casos. O profissional desempenha um papel fundamental no cotidiano dos assistidos, oferecendo assistência e suporte, proporcionando-lhes maior autonomia e qualidade de vida.


É importante destacar que a necessidade de um cuidador pode variar e essa assistência não é essencial em todos os casos. A extensão e a natureza da deficiência é que determinam quando esse profissional deve ser acionado e como deverá atuar. A avaliação individual de cada caso é fundamental para que o apoio seja oferecido de maneira eficaz e personalizada.


Em alguns casos, a atuação do profissional confere um retorno instantâneo e positivo no cotidiano do assistido. Dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) apontam que em 2022 47,2% das pessoas com deficiência tinham 60 anos ou mais de idade. Nesse cenário, o cuidador auxilia a garantir não apenas a segurança, mas também a qualidade de vida desse grupo. Com o envelhecimento, as limitações físicas ou cognitivas podem se agravar, tornando tarefas corriqueiras bastante desafiadoras.


O profissional pode oferecer assistência essencial a idosos com deficiência, auxiliando no banho, na alimentação, na administração de medicamentos e na locomoção. A promoção do bem-estar emocional também é levada em conta, proporcionando companhia e apoio, o que é especialmente importante para combater a solidão e a depressão que podem afetá-los.


A presença do cuidador é também importante no ambiente escolar. Dados do terceiro trimestre de 2022 do IBGE revelam números preocupantes nas taxas de analfabetismo e níveis de instrução escolar entre crianças com deficiência. Enquanto a taxa de analfabetismo atingiu 19,5% desse grupo, apenas 25,6% destas crianças concluíram o ensino médio – entre as crianças sem deficiência os percentuais são de 4,1% e 57,3%, respectivamente.


O cuidador em ambiente escolar pode oferecer apoio personalizado, adaptando o ensino às necessidades individuais do aluno, tornando os materiais didáticos acessíveis e auxiliando na comunicação. Dessa forma, o especialista não apenas contribui para a superação das barreiras educacionais enfrentadas pelos alunos com deficiência, mas também os capacita a alcançar seu pleno potencial acadêmico, promovendo assim a igualdade de oportunidades no ambiente escolar.


A presença de um profissional pode ser um recurso valioso para promover a inclusão, a autonomia e a qualidade de vida, seja no ambiente escolar, ou na vida cotidiana. No entanto, é fundamental reconhecer que cada pessoa com deficiência é única, com habilidades e desafios específicos, e os cuidados devem ser personalizadas para atender às suas necessidades e aspirações.




Sobre a Acuidar:


Fundada em 2016 pelo médico Vitor Hugo de Oliveira e pela fisioterapeuta Jéssica Soares Ramalho, a rede oferece serviços no domicílio do cliente ou durante acompanhamento hospitalar, com opções de diárias avulsas e planos mensais. A marca entrou para o mercado do franchising em 2020, contando hoje com mais de 120 unidades inauguradas. O investimento inicial total é de R$ 44 mil (já com a taxa de franquia) o faturamento médio mensal é de R$ 60 mil e o prazo de retorno é de 6 a 15 meses. Saiba mais em: https://www.acuidarbr.com.br/




Por assessoria de imprensa

bottom of page