top of page
  • Foto do escritorBrasil Cotidiano

Grupo Trapiche apresenta nova versão de Sítio do Pica Pau Amarelo - O Rapto de Narizinho

Crédito da foto: Assessoria de imprensa


Crédito da foto: Assessoria de imprensa


Com recursos de palhaçaria e teatro musical, Grupo Trapiche apresenta nova versão de Sítio do Pica Pau Amarelo - O Rapto de Narizinho em Pirassununga



O Grupo Trapiche de Teatro, que traz no currículo espetáculos de sucesso como A Borboleta Sem Asas e Nós Matamos o Cão Tinhoso!, reinventa um espetáculo de sua trajetória com novos elementos cênicos e recursos de palhaçaria. Trata-se de Sítio do Pica Pau Amarelo - O Rapto de Narizinho, que fará uma sessão única no Centro de Convenções Prof. Fausto Victorelli (Av. Painguás, 2014 - Vila Guimarães) dia 25 de agosto, sexta-feira, 14h. Os ingressos são gratuitos e podem ser adquiridos na bilheteria do teatro.


A peça, uma obra original de Marcos Ferraz inspirada livremente no universo do Sítio do Pica Pau Amarelo, aproxima o público dos conhecidos personagens em uma narrativa inédita. Nela, a terrível Cuca joga um feitiço no Sítio e rapta Narizinho. O feitiço só poderá ser quebrado se Emília e Pedrinho conseguirem encontrar os quatro elementos da natureza. Durante a aventura – recheada de suspense, humor, ação e muita música – eles contam com a ajuda do Saci, da Iara e até do Curupira.


Com direção de Paula Flaibann e Marcos Okura, o espetáculo une uma identificação nostálgica do público com a turma do Sítio do Pica Pau Amarelo a elementos cênicos e de dramaturgia que dialogam com os nossos tempos. Essa releitura é visível principalmente na estética da peça, que conta com personagens que saem do convencional – tanto na interpretação, quanto no figurino.


Paula Flaibann, que assumiu a direção da peça na nova versão, conta que trouxe ao enredo alguns traços fundamentais da sua carreira, marcada por sua passagem na Cia Le Plat Du Jour e no grupo TeenBroadway. "O Marcos, que tinha assinado a direção da primeira montagem, me deu muita liberdade para inserir na peça uma movimentação de palhaçaria e teatro físico, trazendo também mais coreografias e mudanças pontuais no texto para gerar elementos de identificação com a plateia", conta, exemplificando com a figura da sereia Iara, que nessa montagem é uma YouTuber.


Marcos Ferraz, o dramaturgo, conta que sua ideia na criação de uma história inédita do Sítio do Pica Pau Amarelo foi propor uma modernização na linguagem, aproximando o espetáculo do público sem perder as características mais marcantes de cada personagem. "Ainda assim, não há nenhum modismo na peça, o que preserva a memória afetiva que o Sítio exerce sobre tantas pessoas", complementa. Marcos trouxe ao projeto sua bagagem com o Sítio do Pica Pau Amarelo, do qual já foi roteirista de uma animação produzida pela Rede Globo.


As músicas autorais de Vinícius Loyola capturam a essência de cada personagem de maneira brilhante, utilizando gêneros musicais distintos para transmitir sua personalidade e história única. Ao associar o Saci ao ritmo contagiante do samba, Loyola ressalta sua malícia e espírito irreverente, criando uma atmosfera de festa e movimento. A Iara e os peixes ganham vida através das batidas cativantes do K-pop, refletindo a magia e o mistério das águas, enquanto a Cuca, personagem enigmático, se encaixa perfeitamente no mundo do rock, com acordes poderosos e intensos que destacam sua natureza imponente. Já o Curupira, com toda sua energia e conexão com a natureza, encontra expressão no ritmo vibrante do axé, que transmite a alegria e a vitalidade do folclore brasileiro. A proposta é unir gêneros musicais às características individuais de cada personagem, tornando o musical uma experiência rica e envolvente para o público.


O desafio da companhia – que tem como essência de seus estudos encontrar pontos de intersecção entre o teatro musical, o cinema e o teatro clássico ou teatro de texto – foi encontrar caminhos para contar uma história com novos elementos. Neste sentido, a versão musical conta com cenários compostos em formatos diferentes que criam um clima para cada ambientação.


Para tanto, o artista Eriko Carvalho concebeu a cenografia a partir dos bloquinhos geométricos de madeira – brinquedo marcante da infância de várias gerações –, criando peças que variam de 50 a 160 cm e que são movimentadas pelo elenco na construção dos mais diversos espaços em que se passa o espetáculo. "A ideia é sugerir que a partir do simples, tudo se constrói. É muito gostoso ver a reação das crianças quando as peças são movidas e vão virando diferentes lugares e objetos", diz o cenógrafo.


A inspiração vem da experiência da educadora Maria Montessori, que valorizava o aprendizado por meio da exploração do mundo e da experimentação com as próprias mãos, estimulando a autonomia através da criatividade, coordenação motora e resolução de problemas. Sendo assim, Eriko quis criar um cenário trazendo a réplica do brinquedo utilizado pela educadora no início do século passado e que se tornou popular entre várias gerações. Formas geométricas gigantes que serão manipuladas pelos atores para criar diferentes ambientes e objetos. Na trama, isso fica exemplificado por meio da quantidade de possibilidades oferecidas pela movimentação das peças.


"O caldeirão da Cuca é composto pelos mesmos blocos que formam um rio, assim como a cadeia em que Narizinho é presa foi formada pelas peças que compunham a floresta", conta, salientando o estímulo para que o público consiga enxergar todas possibilidades fornecidas pelo cenário em constante transformação.



Sinopse


“O Rapto de Narizinho” se passa em um dia desses, como outro qualquer, em que Narizinho, Pedrinho, Emília e Visconde estão brincando e recebem uma visita inesperada. Uma visita desagradável e bem perigosa! A Cuca está ali na redondeza, rapta Narizinho e joga um feitiço no sítio. Dentro de pouco tempo, todos vão virar pedra. Para desfazer o feitiço e salvar Narizinho, eles precisam encontrar os 4 elementos da natureza: água, terra, fogo e ar. É nessa aventura que Emília e Pedrinho saem para resgatar Narizinho, contando com a ajuda do Saci, da Iara e do Curupira. A história é recheada de suspense, humor, ação e muita música, com versões exclusivas para o espetáculo.



Ficha Técnica

De Marcos Ferraz

Direção - Paula Flaibann e Marcos Okura

Elenco – Daniel Selles, Gustavo Guimarães, Marina Pavan, Renan Vinícius, Renata Cristina e Vivi Zanelli

Swing - Glauber Silva e Jéssica Leão

Coreografias - Paula Flaibann e Renata Cristina

Identidade Visual - César Cavelagna

Desenho de Luz - Ériko Carvalho

Cenário - Ériko Carvalho

Figurinos e adereços – Danilo Cruz

Produção Musical e Trilha Sonora – Vinicius Loyola e Michel Barbaro

Diretora de Produção – Vania Bastian

Produtora Executiva – Nayana Gomes

Produtor Técnico – Daniel Selles

Realização – Grupo Trapiche

Assessoria de Imprensa - Angelina Colicchio e Diogo Locci





Serviço

Sítio do Pica Pau Amarelo - O Rapto de Narizinho | Grupo Trapiche de Teatro

Dia 25 de agosto. Sexta-feira, 14h

Centro de Convenções Prof. Fausto Victorelli (Av. Painguás, 2014 - Vila Guimarães)

Ingressos: Gratuitos

Duração: 60 minutos

Classificação: Livre – Indicado para maiores de 3 anos



Por assessoria de imprensa

bottom of page