top of page
  • Foto do escritorBrasil Cotidiano

Uso de energia no momento certo pode economizar 40 milhões de toneladas de emissões CO2 anualmente

Novo estudo da Danfoss mostra que a implantação de tecnologia de flexibilidade ao lado da demanda pode alcançar uma economia anual de custos sociais de 10,5 bilhões de euros até 2030 e uma economia de 7% nas contas de eletricidade das residências no Reino Unido e União Europeia.


Crédito da foto: Assessoria de imprensa
Crédito da foto: Assessoria de imprensa


Uma nova análise encomendada pela Danfoss revela que uma implantação ambiciosa, mas realista, da tecnologia de flexibilidade do lado da demanda na UE e no Reino Unido pode economizar 40 milhões de toneladas de emissões de CO2 por ano até 2030, mais do que a pegada climática doméstica da Dinamarca. Além disso, a UE e o Reino Unido podem obter uma economia anual de custos sociais de 10,5 bilhões de euros até 2030 e de 15,5 bilhões de euros até 2050. Essas economias já representam a maior parte do custo de implementação da infraestrutura de flexibilidade do lado da demanda.


Durante a recente crise energética, os países da UE destinaram 681 bilhões de euros e o Reino Unido 90 bilhões de libras esterlinas (103 bilhões de euros) para responder a ela. A implantação de tecnologias de flexibilidade do lado da demanda pode tornar a rede mais resiliente e reduzir a necessidade de subsídios governamentais nessa escala. Elas também têm um grande potencial para economizar dinheiro em nível social e de consumidor. Em toda a UE e no Reino Unido, o consumidor médio poderia economizar 7% em sua conta de eletricidade até 2030 e 10% até 2050.


Kim Fausing, Presidente e CEO da Danfoss, afirma: "Estamos saindo da era dos combustíveis fósseis, mas não preparamos nosso sistema de energia para o futuro porque estamos negligenciando a eficiência energética como uma das principais ferramentas para reduzir as emissões. A rede não está pronta para usar toda a energia renovável que estamos produzindo rapidamente. Precisamos tomar medidas para utilizar soluções de eficiência energética - como as tecnologias de flexibilidade do lado da demanda - que não só nos ajudam a usar menos energia, mas também a usar a energia certa no momento certo. Temos as soluções, mas precisamos agir."


A flexibilidade do lado da demanda refere-se ao nivelamento do consumo de energia para evitar períodos simultâneos de alta demanda e baixa oferta, o que é especialmente importante para um sistema de energia baseado em fontes renováveis. A implantação de tecnologias de flexibilidade do lado da demanda pode diminuir a demanda durante os horários de pico mais caros e reduzir a quantidade de combustíveis fósseis no mix de energia.


Em edifícios, por exemplo, as tecnologias orientadas por IA podem economizar até 20% nos custos de energia de um edifício, combinando dados do edifício, do clima e do usuário para prever a demanda de aquecimento e ventilação. Avaliações feitas em 100.000 apartamentos equipados com essa tecnologia, principalmente na Finlândia, mostram que o uso máximo de energia foi reduzido em 10 a 30%. Enquanto isso, a mudança de carga também pode ser automatizada para refrigerar os freezers dos supermercados a uma temperatura muito mais baixa do que a necessária fora dos horários de pico de demanda, com os freezers operando efetivamente como uma bateria que armazena energia. Essa técnica de "super-refrigeração" significa que os refrigeradores podem ser desligados durante os horários de pico da demanda de energia, reduzindo o estresse na rede e economizando dinheiro para o supermercado.



As energias renováveis precisam representar 70% da matriz energética até 2050 para que as metas do Acordo de Paris sejam alcançadas. No entanto, o sistema de energia ainda não está preparado para gerenciar os picos e as quedas naturais do fornecimento de energia renovável.


O novo documento técnico da Danfoss, "Eficiência Energética 2.0: Projetando o Futuro Sistema de Energia", apresenta a maneira mais econômica de se preparar para o futuro sistema de energia. Ele se concentra na implantação de uma eletrificação em larga escala da sociedade, em medidas de flexibilidade do lado da demanda, no uso inteligente de hidrogênio e armazenamento e na maximização do uso do excesso de calor.


Principais conclusões do documento técnico:


Ao fazer a transição de um sistema de energia fóssil para um sistema totalmente eletrificado, é possível reduzir até 40% do consumo final de energia. A eletrificação é, por si só, uma forma de eficiência energética.


Por meio da flexibilidade do lado da demanda, a UE e o Reino Unido podem economizar anualmente 40 milhões de toneladas de emissões de CO2 e obter uma economia anual de custos sociais de 10,5 bilhões de euros até 2030. Da mesma forma, as residências podem economizar, em média, 7% em suas contas de eletricidade. Em 2050, estima-se que as residências economizarão 10% nas contas de eletricidade e 15,5 bilhões de euros em custos sociais anuais.


Nos EUA, a otimização da eficiência, a flexibilidade da demanda e a eletrificação em edifícios podem economizar até 107 bilhões de dólares em custos anuais do sistema de energia, juntamente com uma redução de 91% nas emissões de carbono dos edifícios até 2050.


Em 2030, até 53% da entrada global de energia será desperdiçada como excesso de calor. No entanto, grande parte desse calor pode ser capturado e reutilizado para aquecer edifícios e água por meio de uma integração mais profunda do setor.

Em escala global, é teoricamente possível, até 2050, recuperar 1,228 TWh de excesso de calor do hidrogênio produzido por eletrólise, o que equivale a quase dois terços da atual geração global de calor a partir do carvão, a maior fonte de calor.

Na UE, cerca de 83 TWh de excesso de calor podem teoricamente ser recuperados da eletrólise já em 2030, o suficiente para cobrir o aquecimento doméstico atual da Alemanha mais de 1,5 vezes.


Kim Fausing acrescenta: "A eletrificação, a flexibilidade do lado da demanda, a conversão, o armazenamento e a integração do setor devem ocupar o centro do palco em um futuro sistema de energia que possibilite uma rede de energia alimentada por fontes renováveis. Muitas vezes, os tomadores de decisões simplesmente não sabem que já temos as soluções de que precisamos não apenas para reduzir as emissões de carbono, mas também para proporcionar economias substanciais, tanto em nível social quanto do cliente. Já é hora de os tomadores de decisões, em todos os níveis, priorizarem a eficiência energética e definirem a estrutura regulatória e econômica correta para atingir o net zero até 2050."


O Professor Nick Eyre, Professor de Política Energética e Climática da Universidade de Oxford e Pesquisador Sênior em Energia do Environmental Change Institute, afirma: "Precisamos repensar a eficiência energética e colocá-la no centro da corrida rumo à descarbonização total. Isso significa possibilitar a eletrificação de usos finais que antes não eram atendidos por eletricidade. Também significa criar um sistema de energia altamente flexível para evitar picos de demanda com uso intensivo de carbono. Historicamente, a eficiência energética tem proporcionado a maior parcela de mitigação de gases de efeito estufa e reinventá-la para a era das energias renováveis nos permitirá continuar essa tendência e alcançar o net zero até 2050."


Toby Morgan, Gerente Sênior de Ambiente Construído do Climate Group, afirma: "À medida que eletrificamos tudo o que podemos e construímos uma rede flexível adequada para o futuro, não podemos nos esquecer da eficiência energética. A forma mais ecológica de energia é economizar energia, e a eficiência significa que precisamos de menos parques eólicos e menos instalações de baterias. A IA pode ajudar a turbinar o progresso da eficiência energética, otimizando o uso da eletricidade para qualquer hora do dia. No entanto, o papel da IA na conexão de tecnologias inteligentes em relação ao clima em um edifício integrado e eficiente em termos de energia é o que realmente desperta interesse. A IA pode otimizar o uso de energia solar no telhado quando está ensolarado, tomar decisões sobre quando usar o armazenamento da bateria do edifício ou as baterias dos veículos elétricos conectados aos pontos de carregamento, além de escolher um momento ideal para vender eletricidade renovável de volta à rede quando a demanda é alta."


Faça o download do documento técnico completo: “Energy Efficiency 2.0: Engineering the Future Energy System” https://bit.ly/3SwgQsa


Sobre a Danfoss


A Danfoss desenvolve tecnologias avançadas que nos permitem construir um amanhã melhor, mais inteligente e mais eficiente. Nas cidades em crescimento, asseguramos o fornecimento de alimentos frescos e o melhor conforto em nossas casas e escritórios, atendendo à necessidade de infraestrutura eficiente em energia, sistemas conectados e energia renovável integrada. Nossas soluções são usadas em áreas como refrigeração, ar condicionado, aquecimento, controle de motores e máquinas móbil. Nossa engenharia inovadora remonta a 1933 e hoje a Danfoss ocupa posições líderes no mercado, empregando mais de 28 mil e atendendo clientes em mais de 100 países. Somos uma empresa privada controlada pela família fundadora. Leia mais sobre nós em www.danfoss.com.br





Por assessoria de imprensa

bottom of page